sábado, 8 de janeiro de 2022

Navegar é necessário

      in: Horta, Faial
Navegar é necessário

Viver não é perfeito
Nem claro
É tantas vezes com defeito
E bem turvo e escuro

Há que saber levar o barco direito
Aprendendo bem a remar a porto seguro
Para que não oscile demasiado e nos afunde

Pois é frágil a embarcação
Em mares de altas e bravas vagas
Que a podem fazer soçobrar

E caudalosos são os rios que nos percorrem
Desaguando em maré escura
Que pinta de noite a praia
Dor a acordar da inocência dos barcos de papel

Mas que não se esquivem os sonhos
Alavancas que nos desencravam as engrenagens maltratadas pela vida

Navegar é necessário

terça-feira, 5 de outubro de 2021

De um lado ao outro

Cai o olhar 
no vazio do além 
e soluça-se no respirar do gosto 
feito prazer de um estar presente 
contente por se sentir 
ainda um pouco acompanhado 
perdendo-se entre poesia 
de um e de outro lado

sábado, 21 de agosto de 2021

Por debaixo do pano

Melhor seria que a máscara que cobre a boca
a cerrasse a palavras vozeiras,
useiras e vezeiras,
ocas e interesseiras,
palermas ou arteiras;
que vêm confundir como bebedeiras
as sadias e boas maneiras.

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Vácuo

Só o vazio do espaço por contar

Nem brisa
Nem aves

Só um manto de silêncio sem dor
Nem tristeza
Nem alegria
Nem fadiga

Só a lembrança vadia sem tortura
Nem nuvem
Nem tormenta

Nem maré
Nem barca
Nem remo
Só a sede da vela ao longe por erguer

Sem praia
Sem rio
Sem fonte

Só o vácuo do vento na torneira por abrir
E fechar

domingo, 25 de abril de 2021

Luz, cor e luar

quando os muros são pesados 
tantas vezes sangramos 
sem forças para achar uma abertura 

mas há que erguer a cabeça 
bem acima dos muros que se levantam, 
esculpir poesias com o olhar, 
espalhá-las pelos mares que nos corroem a alma 
e ser luz, cor e luar

domingo, 24 de janeiro de 2021

Sem-fim

A roda da engrenagem não anda, 
Está emperrada. 
Rançou-se, enferrujou.
Foi o tempo, 
Pelas ruas de amargura, 
E a vida grave e pesada, 
Que a amofinaram sem dó, 
Lhe teceram urdidura. 

Não gira, 
Já nem geme 
Pelo ardor da labuta. 
Cala-se, 
E não há lágrima 
Que escorra, 
Que regue o chão.
 
Há palavras que morrem antes de chegarem à garganta, 
Sufocadas em silêncio sem-fim.

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Corpos perdidos de nós


Há dores enormes, do tamanho de um coração grande, que amargam e galgam as margens do peito, transbordando borda fora do corpo e da alma, para lá da cama, para além de todos os sentires...

Por vezes estamos assim, corpos perdidos de nós...

sábado, 19 de outubro de 2019

Atravessar a dor

atravessar a dor

Um assalto no caminho
Uma surpresa
Uma dor

Uma caverna escura
Um cárcere

E eu rendo-me 
Ou pelejo?
Será que ensaio uma fuga...
Que faço?...

Do lado de lá
Há mais vida
Colorida
Um horizonte de mar

E a dor é só uma passagem

Que urge atravessar

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Sabor a Sal

Salgado

Não se constrói uma casa pelo telhado... 
mas é, quase sempre, pelo telhado que ela se destrói.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Somos instantes

somos instantes

Urgente se vive,
tão depressa se morre.
Não há quem não tropece tantas vezes
nos caminhos que percorre...
O belo está em ir caminhando incessante,
conquistando rumo a cada instante,
mesmo que com sangue nos pés;
e ir sempre lavando as feridas, 
voltar a caminhar outra e outra e mais outra vez,
sem dar importância demasiada aos tropeços.
Afinal, nem só de logros se faz a vida.
Ela é feita de recomeços.

poderá também gostar de: